Qual o pior palpite que você já recebeu sobre maternidade?

Qual o pior palpite que você já recebeu sobre maternidade?

O bebê nasceu! Pronto. A nova mamãe pode se preparar para o bombardeio de palpites, conselhos, críticas e comentários que surgem de todos lados. Acredite: eles chegam até de quem não tem intimidade (vem cá, eu te conheço?). Palpites e comentários sobre amamentação, introdução alimentar, educação dos filhos e até sobre a escolha do parto (!) recaem sobre as recém-mães. E muitas vezes vêm carregados de julgamentos. O resultado? Quem supostamente queria ajudar acaba prejudicando, promovendo insegurança, frustração, raiva e sofrimento às mães.

Interessante que isso é tão comum que ganhou até nome: “mom-shaming”. Não existe uma tradução exata da expressão para o português. A palavra vem do inglês “mom“, que significa mãe, e do “shaming“, que é constranger ou envergonhar. Ou seja, o “mom-shaming” é uma forma de assédio, em que o objetivo é constranger ou humilhar mães. Normalmente parte de gente que se considera mais experiente na maternidade. E tudo isso só reforça o estereótipo: é preciso ser a mãe perfeita.

Nesta matéria da Gazeta do Povo, Vera Iaconelli, diretora do Instituto Brasileiro de Psicologia Perinatal Gerar, explica que a expressão diz respeito às situações nas quais as pessoas julgam e interferem no comportamento das mães com efeitos negativos. “Supõe-se que exista um jeito certo de criar as crianças e não vários jeitos possíveis, que há um modelo de mãe ideal, perfeita e que serve para todas as outras”, diz Vera na publicação.

A mulher é alvo do “mom-shaming” já na gestação: “Nossa, que barriga pequena. Tá certo isso?”, “Não tá ganhando muito peso, seu bebê não vai crescer”,”Seu peito não aumentou. Não vai conseguir amamentar”. E por aí vai…Recentemente, fizemos um post aqui no Blog da Maya falando sobre isso: o que não dizer a uma gestante.

Mas, já que é assim, como as mulheres podem se proteger dos palpites e comentários indesejados? Esta matéria do Estadão traz dicas e acrescenta: não se posicionar sobre uma crítica ou palpite também não é saudável. Já que essa recém-mãe não vai conseguir se blindar de comentários alheios, o melhor caminho, se possível, é argumentar, colocando em evidência o seu desejo em relação ao próprio filho. Ignorar pode perpetuar o comportamento do outro. E isso é o que nenhuma mulher que, né?



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *