Novembro Azul: 5 perguntas sobre o câncer de próstata

Novembro Azul: 5 perguntas sobre o câncer de próstata

Depois do Outubro Rosa, dedicado à prevenção do câncer de mama, vem o Novembro Azul, mês de conscientização sobre o câncer de próstata. É o tipo de câncer mais frequente entre os brasileiros, depois do de pele, ocorrendo geralmente em homens mais velhos – cerca de 6 em cada 10 casos são diagnosticados em pacientes com mais de 65 anos. Mesmo sendo uma doença comum, muitos homens preferem não abordar o assunto, seja por medo, preconceito ou desconhecimento. Mas a realidade mostra que é necessário, sim, discutir a doença. A campanha também reforça a importância de os homens cuidarem da saúde de modo geral.

De acordo com a pesquisa Um Novo Olhar para a Saúde do Homem, realizada no segundo semestre de 2019 pelo Instituto Lado a Lado pela Vida (LAL) – idealizador do movimento Novembro Azul -, entre os 2.405 brasileiros entrevistados, apenas 33% disseram ir ao médico para consulta de rotina uma vez ao ano e 26% afirmaram que só o fazem quando se sentem mal. Neste ano, a campanha traz a chamada “Seja Homem: Se cuide!”.

Abaixo, reunimos algumas perguntas frequentes relacionadas ao tema. Para saber mais, vale a leitura da cartilha “Câncer de próstata: vamos falar sobre isso?” publicada pelo Instituto Nacional de Câncer (Inca).

1 – Quais os sintomas do câncer de próstata?
O câncer de próstata aparece, na maioria das vezes, como uma doença silenciosa e indolor. Ou seja, na fase inicial, pode não apresentar sintomas e, quando apresenta, os mais comuns são: dificuldade de urinar, sangue na urina, diminuição do jato de urina e necessidade frequente de urinar. Outros sinais da doença também são dificuldade para ter ereção, ejaculação precoce e dor frequente. Os sinais são frequentemente detectados durante exames de rotina. Por isso, também, a importância de fazer visitas regulares ao médico.

2 – O tratamento do câncer de próstata afeta a função sexual masculina?
Esse é um dos grandes receios de quem desenvolve a doença. Mas não acontece em todos os casos. Em alguns tratamentos para o câncer de próstata, como a cirurgia, os nervos que rodeiam o órgão e controlam a ereção peniana podem ser afetados. Mas isso também depende de fatores como localização, tamanho do tumor e tipo de tratamento realizado.

3 – O câncer de próstata é transmissível?
Não, pois não é infeccioso ou contagioso. Assim como qualquer outro tipo de câncer, desenvolve-se a partir da proliferação desordenada de nossas células, causada por mutações no código genético.

4 – Quais os fatores de risco?

  • Idade: o risco aumenta com o avançar da idade. Estima-se que seis entre dez casos registrados no mundo ocorram em homens com 65 anos ou mais.
  • Histórico familiar: pai, avô, irmão, tio que tiveram câncer de próstata.
  • Sobrepeso e obesidade: estudos recentes mostram maior risco em homens com peso corporal mais elevado.
  • Raça: homens negros sofrem maior incidência deste tipo de câncer.

5 – Como prevenir o câncer de próstata?
Há dois aspectos importantes na prevenção: realização de exames de rotina e hábitos saudáveis. É recomendável: check-up anual; controle de colesterol, diabetes e pressão; prática de exercícios físicos; controle de peso; alimentação equilibrada; e evitar cigarro e álcool em excesso. O diagnóstico precoce aumenta as chances de cura dos pacientes. Mesmo na ausência de sintomas, homens a partir dos 45 anos com fatores de risco, ou 50 anos sem estes fatores, devem ir ao urologista para conversar sobre o exame de toque retal, que permite ao médico avaliar alterações da glândula, como endurecimento e presença de nódulos suspeitos, e sobre o exame de sangue PSA (antígeno prostático específico). O exame de toque retal e de PSA são os principais meios para detectar a doença precocemente, quando as chances de cura são maiores e os tratamentos, menos invasivos.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *