Maternidade x vida pessoal: o principal desafio das mulheres

Maternidade x vida pessoal: o principal desafio das mulheres

“Tudo está muito difícil. Principalmente encontrar tempo para cuidar de mim e da minha saúde. Minha autoestima está em baixa”, diz uma recém-mãe. O depoimento integra uma pesquisa realizada pela Associação CineMaterna e o ateliê NOZ Pesquisa e Inteligência, e retrata a realidade de muitas mulheres quando o assunto é o principal desafio da maternidade. O levantamento mostra que uma em cada duas mães considera ser muito difícil conciliar maternidade e vida pessoal. Amamentação, alimentação e saúde do bebê (ida ao pediatra, vacinas etc) são as funções avaliadas como “menos difíceis”.

A pesquisa foi realizada por um questionário online de autopreenchimento voluntário entre 25 de junho a 15 de julho de 2019. No total, participaram 2.090 mães com filhos de até 2 anos. A média de idade das mães era de 32 anos.

A descoberta da maternidade acontece aos poucos, numa construção diária de entendimento entre mãe e bebê. Até porque nenhum neném nasce com manual (nem mãe!), certo? E esse processo geralmente vem cheio de angústias, incertezas, medo, ansiedade para a mulher. Na tentativa de tornar esse começo mais leve, é importante ter uma rede de apoio. No entanto, a pesquisa mostrou que 36% das entrevistadas disseram estar sozinhas na maior parte do tempo.

Apesar de 88% das pesquisadas serem casadas ou estarem em relacionamento estável, apenas 67% dizem ter o apoio do pai do bebê para exercer a maternidade. Aqui a gente abre um parêntese para lembrar que o que se espera de um pai não é só apoio, e sim um envolvimento total na divisão de tarefas. No post da semana passada, falamos um pouco sobre essa questão. Excluída a participação do pai, 48% das mães contam com apoio de pelo menos uma pessoa.

Quando o assunto é julgamento e cobrança (oh, e como tem!), 72% das mães disseram que se sentem julgadas ou cobradas de alguma forma, em especial as mais jovens. Vida pessoal (49%) e profissional (55%) são no que elas se sentem mais julgadas e cobradas. “Quem cobra: família e amigos. Quem julga: qualquer pessoa, inclusive desconhecidos”, afirma outra entrevistada.

A Associação CineMaterna é uma organização sem fins lucrativos, pioneira em sessões de cinema amigáveis para mães e bebês de até 18 meses. A NOZ é um ateliê de pesquisa e inteligência de negócios, cujo trabalho é ouvir, observar e interpretar; entender desejos e comportamentos humanos. Para ter acesso a outros dados da pesquisa, acesse aqui a página do CineMaterna.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *