A importância do pai na amamentação

A importância do pai na amamentação

Amamentar é um dos atos mais lindos da maternidade, mas também um dos mais desafiadores para muitas mamães. Em uma fase em que a mulher está emocionalmente fragilizada – o pós-parto -, exige muito preparo, paciência, persistência e dedicação. Para ajudar a deixar o processo mais leve, uma rede de apoio é essencial. E isso inclui principalmente a participação do homem no aleitamento materno. Isso mesmo: estamos falando da importância do pai na amamentação.

>> MITOS E VERDADES SOBRE O ALEITAMENTO MATERNO

Já trouxemos aqui os benefícios do leite materno, o alimento mais completo, para a saúde do bebê. Não é à toa que a Organização Mundial da Saúde recomenda a amamentação exclusiva no peito nos primeiros 6 meses do bebê. Tá, e você está se perguntando: mas o que o pai tem a ver com o aleitamento materno? Tudo!

>> AMAMENTAÇÃO DURANTE A GRAVIDEZ: PODE OU NÃO PODE?

Mesmo que ele não consiga amamentar pela mãe, sua participação influencia diretamente no sucesso da amamentação. A instauração bem-sucedida do aleitamento materno exige preparo, perseverança, descanso, conhecimento e segurança, e aí é que entra o papel do pai, tão importante, mas muitas vezes esquecido. Sua função é dar apoio, acolher as angústias, incentivar, ser empático, cuidar do bebê, oferecer um colo ou até mesmo um copo de água. Há estudos que indicam que quando a mãe se sente apoiada pelo parceiro, o momento da amamentação acontece muito mais fácil.

5 lições para o pai

1 – Leia sobre o assunto
O conhecimento é essencial. Mas não deixe para se informar sobre o aleitamento materno só na maternidade. Antes de o bebê nascer, procure ler, pesquisar, conversar, tirar dúvidas sobre os benefícios da amamentação e as dificuldades que podem aparecer nesse processo. Saber o que é a amamentação, a importância dela para o bebê e para a mãe, conhecer os possíveis problemas e as técnicas é a melhor forma de se preparar. Outra vantagem é evitar palpites e cobranças que possam trazer o sentimento de inutilidade e culpa à mamãe, caso esteja passando por alguma dificuldade no processo.

2 – Ofereça o seu apoio
O período pós-parto pode ser muito difícil para as mamães. Sem contar a explosão de hormônios, a mulher vê a sua vida mudar completamente. É um período de adaptação, muitas vezes enfrentando dificuldades, medos, angústias, dúvidas, principalmente em relação ao aleitamento materno (“Será que mamou o suficiente?”, “E o peso, tá engordando?”, “Meu leite é suficiente?”, “A pega tá certa?”, “Esse choro é de fome?”). Escute as angústias dela nos momentos de fragilidade. Incentive, dê forças para ela continuar a amamentar. Se preciso, entre em contato com profissionais capacitados para dar esse auxílio. Seja sempre o suporte emocional da recém-mãe.

3 – Esteja presente na amamentação
Em geral, no começo da amamentação, a mulher passa dias e noites grudadas no recém-nascido. É uma delícia ficar pertinho do filho, mas também pode ser desesperador. Ter alguém do lado emocionalmente conectado – no caso o pai – torna essa fase mais leve. O pai não pode dar o peito, ok. Mas pode ser o apoio de quem dá o peito! Lembre-se disso. Além disso, estando junto, pode ajudar a posicionar melhor o bebê, ajeitar a almofada, oferecer água, buscar algo que a mãe necessite. Colocar o bebê para arrotar e trocar a fralda enquanto a mãe descansa.

4 – Assuma outras tarefas
O pós-parto é um período exaustivo por si só. O bebê demanda muita atenção e quase não sobra tempo para a mãe fazer o que fazia antes. Com ela focada no recém-nascido, é importante que o pai assuma tarefas como o cuidado do filho mais velho, a organização da casa, a compra do mercado. Claro, cada casal tem a sua dinâmica na divisão de tarefas da casa, o importante é que nessa fase o pai tome a frente da organização, livrando a mãe dessa preocupação.

5 – Cuide da mamãe (e do bebê!)
Amamentar no peito é exaustivo. Para ter uma boa produção de leite, a mãe precisa descansar. Ajude para que ela consiga. Quando o bebê não estiver mamando, assuma os cuidados. Troque fraldas, dê banho, coloque para arrotar e para dormir. Esteja atento para decifrar o choro do bebê e atender às necessidades dele. Amamentar também dá muita sede e é importante que a mulher esteja hidratada. Como nessa fase a mãe mal consegue ir ao banheiro ou tomar banho (quem dirá comer comida quente!), é normal que se esqueça da hidratação. Ajude nessa tarefa também. Uma boa ideia é espalhar garrafinhas de água pela casa, principalmente nos locais onde a mãe costuma amamentar.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *