A importância da primeira mamada na primeira hora de vida

A importância da primeira mamada na primeira hora de vida

Quando o recém-nascido começa a mamar? O ideal é que a primeira mamada aconteça o quanto antes. O Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância), a OMS (Organização Mundial da Saúde) e os especialistas em amamentação recomendam que ela ocorra em até uma hora após o parto. Pois isso aumenta as chances de sobrevivência da criança e o sucesso da amamentação. Amamentar na primeira hora de vida reduz 22% a mortalidade neonatal, segundo a OMS.

Porém, somente 43% dos bebês foram amamentados na primeira hora de vida em 2018, segundo dados compilados pela Unicef. De acordo com o mesmo levantamento, a média no Brasil acompanha a mundial: 4 crianças a cada 10.

Por que aumentar tão logo a criança nasça? Porque uma das primeiras medidas para que a amamentação seja bem sucedida é colocar o bebê no peito da mãe logo após o parto. E essa recomendação vale não apenas para partos normais. Ou seja, a mulher que passa por cesárea também pode amamentar logo em seguida. Nessa situação, pode acontecer de ela ter mais dificuldades para segurar o recém-nascido. Mas isso deve ser contornado com a ajuda da equipe médica e, principalmente, com o suporte do acompanhante da mãe.

Contato pele a pele na primeira mamada e o estímulo à amamentação

Essa primeira mamada na primeira hora de vida propicia o contato pele a pele entre mãe e bebê. Isso ajuda a fortalecer o vínculo entre eles, mantendo elevados os níveis de ocitocina no corpo da mulher. Essa substância, chamada de hormônio do amor, cumpre várias funções no trabalho de parto. Na fase da amamentação, ela ajuda nas contrações para o útero voltar a seu tamanho normal, entre outras ações.

Além disso, o contato pele a pele contribui para regular a temperatura corporal do recém-nascido. E mais: a criança passa a “compartilhar” as “bactérias boas” da pele da mãe, que ajudam a defendê-lo de infecções e a iniciar o processo de formação de seu sistema imunológico.

O colostro, o primeiro leite produzido pela mãe

Por falar em sistema imunológico, nessa primeira mamada, o que o bebê suga é um leite chamado colostro. Ele é amarelado e viscoso. O colostro, o primeiro leite produzido pela mãe, é riquíssimo em nutrientes para proteger o bebê. Também contém alta concentração de anticorpos. Além de ajudar na formação do sistema imunológico, ele auxilia na adaptação dos pulmões e no amadurecimento do intestino. Outro benefício do colostro é ajudar na prevenção à icterícia.

O bebê nasce sabendo mamar?

Já viu aqueles vídeos de recém-nascido colocado sobre a mãe instantes depois do parto? De como vão procurando os seios dela? Pode ser que o bebê não pegue o peito da mãe da melhor forma, que a dupla precise de alguma ajuda profissional para afinar a técnica. Mas o quanto antes mãe e filho puderem mergulhar nessa experiência única que é a amamentação, mais fácil – ou menos difícil – será esse processo. Uma coisa é certa: a criança sabe nascendo sugar. Aliás, ela treina bastante no útero. Exemplo disso são os vários ultrassons em que o bebê aparece chupando o dedinho.

E depois dessa primeira mamada, quais cuidados a mãe deve ter no pós-parto para que ela e o recém-nascido continuem progredindo na amamentação? É sobre isso que vamos falar no post de amanhã.

Se perdeu o primeiro post de nossa série especial para marcar a Semana Mundial do Aleitamento Materno, acesse: Amamentação: é possível se preparar?

A Maya apoia a Semana Mundial do Aleitamento Materno.



5 thoughts on “A importância da primeira mamada na primeira hora de vida”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *