fbpx

Gestação, amamentação e muito mais

5 dicas para incentivar seu filho a brincar sozinho

5 dicas para incentivar seu filho a brincar sozinho

Seu filho sabe brincar sozinho ou só consegue concentrar na brincadeira com um adulto (leia-se pai ou mãe) do lado? Em tempos de quarentena, com as crianças fora da escola e os pais em home office, entreter a garotada é mais um desafio entre tantos, não é mesmo? O fato é que nunca foi tão importante (e desejado) que nossos filhos aprendam a brincar sozinhos. Quando a criança brinca sozinha, está desenvolvendo habilidades importantes para a vida. E, consequentemente, liberando os pais para desempenharem outras atividades.

O assunto foi tema de um artigo recente da jornalista Kate Rope no New York Times. Intitulado “Agora é um bom momento para ensinar seus filhos a brincar sozinhos”, Kate elenca dicas para ajudar os pais nesta tarefa e relaciona a rotina pré-pandemia como uma dificuldade para as crianças no momento atual. “Pesquisas mostram que nossas rotinas atarefadas contribuíram para diminuir significativamente a quantidade de tempo livre das crianças. Portanto, suas habilidades para brincar sozinhas podem não estar prontas para o momento que estamos enfrentando”, diz.

>> Leia todos os posts do blog sobre coronavírus 

Mas com algumas “ferramentas”, continua, podemos ensinar nossos filhos a ter essa independência. São vários os benefícios de brincar sozinho. Entre eles: estimula o autoconhecimento e a descoberta, proporciona a autoestima e incentiva a imaginação e a criatividade.

Saiba como estimular a criança a brincar sozinha:

1 – “Brinque” com a criança antes de deixá-la sozinha
Para que o seu filho se sinta confiante em brincar sozinho, esteja presente no começo da brincadeira. Participe, não necessariamente dizendo o que fazer. “Tenho 20 minutos apenas para você. O que gostaria de fazer?” Coloque-se à disposição, deixando que a criança defina o que quer. Você pode ficar só observando, ou talvez seja requisitado para entrar na brincadeira. O importante é sempre incentivar. Isso pode ser feito, por exemplo, com comentários positivos sem julgamentos. O objetivo é que isso provoque reações na criança do tipo: “Uau, minha mãe ou meu pai gostam de me ver jogar, eu sou bom nisso”. Quando acabar o tempo, diga ao seu filho: “Adorei ver você jogar, posso voltar mais tarde”. Dê um abraço e vá fazer suas coisas. Geralmente a criança continua brincando, dizem os especialistas.

2 – Crie atrativos para chamar a atenção do seu filho
Existe um conceito popular no mundo da “unschooling” (desescolarização) – método de ensino em casa que permite que os interesses das crianças promovam o aprendizado – chamado “strewing”. O “strewing” é o ato de espalhar coisas estrategicamente no ambiente das crianças para despertar interesse e curiosidade. Por exemplo: deixe um livro aberto sobre o sofá, coloque as peças do jogo da memória viradas para baixo, abra a caixa com os blocos e coloque no meio do caminho, separe uma folha de papel em branco com lápis de cor em cima. E por aí vai. A ideia é escolher objetos, materiais, jogos que inspirem a imaginação, a criatividade, a brincadeira, a curiosidade do seu filho. Especialistas garantem que é uma estratégia certeira.

3 – Estabeleça um espaço seguro para a bagunça
É importante que a criança se sinta livre para experimentar e brincar sozinha sem perigo. Claro, você vai estar sempre de olho. Escolha um cantinho seguro da casa onde a bagunça é permitida. Aliás, permita o caos enquanto a criança brinca. A ideia é ceder o controle por um tempo para que seu filho descubra qual é a melhor maneira para se distrair sozinho e com eficácia. Tire objetos que ofereçam risco na sala. E junte travesseiros, almofadas, sacos de dormir e cobertores no sofá. As crianças vão ficar entretidas por um bom tempo, se movimentar e, ao final, você ainda deve encontrar uma nova configuração de sala. Por que não transformar a sala numa grande cabana, não é mesmo?

4 – Treine aumentar o tempo aos poucos
“Para uma criança que não brinca sozinha, uma hora é uma eternidade”, disse Catherine Pearlman, Ph.D., autora de “Ignore It!”. “Comece com cinco ou 10 minutos e cresça a partir daí”, sugere a especialista no artigo do New York Times. Muitas vezes, a criança pequena não está pronta para ficar realmente sozinha. Por isso, no começo, permaneça por um tempo no mesmo ambiente, fazendo outra coisa enquanto ela brinca. Vá treinando esta situação e aumente o tempo aos poucos. Um estímulo é separar algumas atividades que seu filho goste para serem feitas somente neste momento de brincar sozinho.

5 – Elogie o que criança fez enquanto brincava sozinha
Não tenha a expectativa de que uma criança de 2 anos vá realmente conseguir ficar sozinha num determinado ambiente, sem a segurança de um adulto por perto. Você vai ficar de olho, observando o que ela faz. Aproveite para usar palavras de incentivo como “olha que bacana o que você fez!” ou “fiquei muito feliz porque você conseguiu fazer isso” . Mas atenção: não faça um elogio genérico. Procure reparar o que a criança fez e demonstre interesse real no seu esforço. Ela precisa perceber que o tempo que ela levou fazendo uma determinada atividade foi relevante.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *